LIVE - Canto e Conto - Recital Comentado



HOJE, 06 de abril, Carla Domingues e Guilherme Amaral apresentam "CANTO E CONTO: RECITAL COMENTADO". O projeto foi selecionado pelo Edital Aldir Blanc SC (2021). A live de hoje tem a participação do flautista Luiz Fernando Barbosa Jr.


Para entrar na live clique aqui!


Confira abaixo o Programa e as traduções das obras apresentadas:


Die Lorelei (Lorelei) Franz Liszt Texto: Heinrich Heine

Eu não sei por que

Estou tão triste.

Um conto dos velhos tempos

Não sai da minha cabeça.


Faz frio, está ficando escuro

E o Reno flui calmamente.

O pico da montanha brilha

Na luz do sol da tarde.


A moça mais bela está sentada

lá em cima, maravilhosa.

Suas joias douradas cintilam,

Ela penteia seu cabelo dourado.


Ela o penteia com um pente de ouro,

E canta uma canção,

Que tem uma maravilhosa,

Poderosa melodia.


O marinheiro em seu pequeno barco,

É tomado por intensa dor.

Ele não olha para os recifes,

Olha apenas para cima.


Eu creio que as ondas engoliram

Marinheiro e barco.

E a Lorelei fez isso

Com o seu canto.



Chanson D’Amour (Canção de amor)

Gabriel Fauré

Amo teus olhos, amo teu rosto

Oh minha rebelde, minha feroz!

Amo teus olhos, amo tua boca

Onde meus beijos se encontrarão.

Amo tua voz,

Amo a estranha graça em tudo o que dizes.

Oh minha rebelde, meu querido anjo,

Meu inferno e meu paraíso.

Amo teus olhos, amo teu rosto

Oh minha rebelde, minha feroz!

Amo teus olhos, amo tua boca

Onde meus beijos se encontrarão.

Amo tudo o que te deixa formosa

Dos teus pés aos teus cabelos

É para ti que juro os meus votos.

Oh minha feroz, oh minha rebelde!



Duas Almas Frederico Richter

Ó tu que vens de longe,

Ó tu que vens cansada

Entra, e sob este teto encontrarás carinho.

Eu nunca fui amado e vivo tão sozinho

Vives sozinha sempre e nunca foste amada....


A neve anda a branquear, lividamente, a estrada

E a minha alcova tem a tepidez de um ninho.

Entra, ao menos até que as curvas do caminho

Se banhem no esplendor nascente da alvorada.


E amanhã, quando a luz do sol dourar radiosa

Essa estrada sem fim, deserta, imensa e nua

Podes partir de novo, ó nômade formosa!

Já não serei tão só, nem irás tão sozinha.

Há de ficar comigo uma saudade tua...

Hás de levar contigo uma saudade minha...



Conselhos Carlos Gomes

Menina venha cá, veja o que faz,

Se por seu gosto o casamento quer

A vontade do marido há de fazer

Que este dever o casamento traz.


Se o homem velho for, ou se ainda rapaz,

Tome, tome a lição que ele quiser lhe dar.

Se poções ou contradanças não quiser,

Também não queira que é melhor pra não brigar.

Menina venha cá, veja o que faz!


Procure de agradar, sem contrariar

Pronta sempre a obedecer.

Tenha dele cuidados com amor,

Enquanto ao resto, deixe lá correr.


Se ainda muito moço e arrebatado for,

Nada, nada de ciúmes que seria pior.

Oh menina venha cá, veja o que faz,

A mulher só faz o homem bem e mal,

Que assim como da pão, pode dar pau.



Conselhos Carlos Gomes

Menina venha cá, veja o que faz,

Se por seu gosto o casamento quer

A vontade do marido há de fazer

Que este dever o casamento traz.


Se o homem velho for, ou se ainda rapaz,

Tome, tome a lição que ele quiser lhe dar.

Se poções ou contradanças não quiser,

Também não queira que é melhor pra não brigar.

Menina venha cá, veja o que faz!


Procure de agradar, sem contrariar

Pronta sempre a obedecer.

Tenha dele cuidados com amor,

Enquanto ao resto, deixe lá correr.


Se ainda muito moço e arrebatado for,

Nada, nada de ciúmes que seria pior.

Oh menina venha cá, veja o que faz,

A mulher só faz o homem bem e mal,

Que assim como da pão, pode dar pau.



Großmächtige Prinzessin - Noch glaub’ ich dem einem (Grandiosa princesa – Quando sinto que pertenço)

Ariadne auf Naxos – Richard Strauss


Grandiosa princesa

Quem não entende que a tristeza

De pessoas tão ilustres e sublimes

Deve ser medida por uma escala diferente

Das dos mortais comuns.

No entanto, não somos ambas mulheres

E o mesmo coração incompreensível

Não bate em nossos peitos?

Mas não é dolorosamente doce

Falar de nossa fraqueza

E admiti-la a nós mesmas?

Não são as nossas próprias mentes que nos levam a isso?


Você não quer me ouvir.

Linda, orgulhosa e imóvel

Como se fosse a estátua

Em seu próprio túmulo.

Você não quer outra confidente

Além daquela pedra e daquelas ondas?

Princesa, me escute, você não está sozinha,

Todos nós tivemos que sofrer com esse mesmo sentimento

Que congela o seu coração.

Que mulher não passou por isso?

Abandonadas! Desesperadas! Expostas!

Existem inúmeras ilhas desse tipo

Mesmo entre os mortais.

Eu mesma morei em muitas delas

E não aprendi a amaldiçoar os homens.

Eles são infiéis! Monstros sem limites!


Uma noite curta, um dia apressado,

Um vento no ar, um olhar fugaz

Transforma o seu coração!

Mas somos imunes

Às transformações cruéis,

Encantadoras, incompreensíveis?


Mesmo quando sinto que pertenço a apenas um homem,

Quando estou segura de mim mesma,

Um sentimento malicioso atravessa o meu coração,

A sensação de uma nova liberdade,

De um amor novo e roubado.

Eu ainda sou sincera, mas tudo é uma mentira.

Eu me mantenho fiel, mas ainda assim sou má.

Tudo é medido com os padrões errados

E metade conscientemente, metade em transe.

No final eu o engano, mas ainda assim o amo.


Mesmo quando estou segura de mim mesma,

Um amor novo e furtivo atravessa o meu coração

Silenciosamente sedutor.

Foi assim com Pagliazzo e Mezzetin!

Depois Cavicchio, então Burattin

E Pasquariello!

Ah, e se bem me lembro,

Foram dois!

Mas nunca caprichos, sempre uma obrigação,

Sempre um novo e desconfortável choque:

Um coração não compreende nem a si mesmo.


Cada um deles se aproximou como um Deus

E até mesmo seu andar me fez calar.

Quando beijavam minha testa e minhas bochechas,

Eu era pega pelo Deus e transformada rapidamente.

Cada um deles se aproximou de mim como um Deus

E cada um vagava em minha direção.

Quando beijavam minha testa e minhas bochechas,

Eu era pega pelo Deus, devota, em silêncio.

Quando um novo Deus aparecia,

Eu me tornava cada vez mais devota, em silêncio.



Vorrei Spiegarvi, oh Dio (Eu gostaria de te explicar, oh Deus) Wolfgang Amadeus Mozart

Eu gostaria de te explicar, oh Deus

Qual é a minha aflição;

Mas o destino me condena

A chorar e ficar em silêncio.


Meu coração não vai mais doer

Por aqueles que querem amor

E me fazem parecer cruel,

Um dever bárbaro.


Conde, vá embora!

Corra, fuja para longe de mim!

A sua amada Emília espera por você.

Não a faça sofrer, ela é digna de amor.


Estrelas impiedosas!

Vocês são minhas inimigas.

Eu estou perdida se ele ficar.


Conde, vá embora! Corra, fuja!

A sua amada Emília espera por você.

Não a faça sofrer, ela é digna de amor.

Vá, corra! Não fale de amor.

O coração dela é seu.



Ah vous dirai-je maman (Devo dizer-lhe mamãe) O Acordo Perfeito – Adolphe Adam

Ah, devo dizer-lhe mamãe,

O que causa o meu tormento?

Desde que vi Clitandre

Me olhando ternamente

Meu coração diz a todo momento:

Pode alguém viver sem amor?

Esse clima me parece encantador.

Quero dizer isso mais vezes.

Sim, o clima é encantador!

Sua melodia em movimento,

Produz uma sensação muito terna.

Eu amo esse movimento

Que balança suavemente.

É expressivo, elegante

O coração bate com ternura.





Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square